segunda-feira, 19 de setembro de 2016

XXXI Corrida da Águia

Olá galera, domingo (18/09/2016) aconteceu a tradicional Corrida da Águia. Não é que demorei a fazê-la, já que estamos na 31ª edição.

Uma corporação que merece de longe nosso respeito pelo trabalho lindo que fazem, quem não se emociona ou acha bonito quando o esquadrão Águia passa.

É uma das provas mais difíceis do nosso calendário e mesmo fora do Circuito Baiano de Corridas de Rua, a galera prestigiou e as inscrições enceraram logo.

Com um preço justo, fiquei super empolgada em participar e garanti minha vaga logo. Quem não conseguiu participar esse ano, recomendo ficar atento as inscrições do ano que vem.

Percurso extremamente desafiador com o último km na ladeira do zoológico e mais de 600ms após até chegar dentro do Esquadrão.

A retirada do kit aconteceu sem tumulto na sexta e sábado no stand da prova no Salvador Shopping. Não peguei fila, foi bem rápido. Kit simples com mochila, número de peito e camiseta que por sinal achei muito bonita. Está aí o que muitas organizações precisam aprender, façam uma prova com preço justo e kit assim. Para mim vale muito mais, um percurso desafiador, trajeto bloqueado, largada no horário, uma camiseta bonita, hidratação, medalha e resultado ser disponibilizado rapidamente. Isso na minha opinião é o mais importante.

A parte chata é retirar o chip antes da largada. Amo chip descartável, embora o chip retornável é melhor pro meio ambiente. Com percurso de 5 e 10k, a prova esse ano teve o percurso modificado e adorei. Conscientemente escolhi o percurso de 5km, essa corrida é muito rápida e como sou lenta, não faz sentido fazer os 10k.

Galera da Triplaforma

Algo surpreendente foi a possibilidade da mudança do nome antes da largada. As vezes sedemos as inscrições para amigos e você ter o resultado no seu nome é o mais correto, fora que não tira pódio de ninguém. Parabéns a organização pelo feito.

Chegamos cedo na arena e tiramos muitas fotos. A largada aconteceu em Ondina as 7:33 sentindo orla com retorno no posto próximo ao clube espanhol para o percurso de 5km, entrando nas proximidades do monumento das gordinhas sentindo Garibaldi e subindo a ladeira do Zoológico.

A minha estratégia foi sair da minha zona de conforto nos 3 primeiros kms, segurar um pouco no 4km, subir a ladeira trotando e puxar nos 600ms finais até o pórtico. O segundo km não foi como planejando mais os demais sim até a ladeira. Fiquei feliz porque já dá para sair do meu limitante tempo tartaruga. Acho que o peso perdido já está refletindo.

Durante o percurso fomos surpreendidos com hidratação de 3,5km ou seja, na prova de 5km só teríamos um ponto de hidratação durante o percurso e depois na conclusão da prova. Quando passei no posto de hidratação quem disse que tinha água? Resultado o esforço inicial de baixar o meu ritmo de prova e o fato de não ter água pra beber, me fez subir a ladeira toda andando.

O medo de passar mal foi maior e já com o cansaço resultado perdi muito tempo na ladeira. Na parte plana após a subida da ladeira, tinha o caminhão dos bombeiros com uma caixa de água que quando passei já estava no fim, mas consegui pegar uma água. O cara até brincou que parecíamos que estávamos na caatinga. Respirei fundo tomei a água molhei a cabeça e era hora de avançar e terminar a prova.

Passei pelo pórtico com os gritos do querido atleta e escritor Beto Maia. Obrigada a todos os incentivos durante o percurso.

Fica a dica para organização, uma prova pelo horário e pelo nível de dificuldade deveria ter água em mais de um ponto de hidratação. Foi o grande ponto negativo da prova.

Após a chegada fomos recepcionados com uma medalha linda, frutas, suco e finalmente água para tomarmos. Era hora de encontrar os demais amigos da assessoria e resenhar com a turma amiga.

O resultado foi enviado por sms algumas horas depois da prova, mais um ponto positivo.

A vista pós chegada dessa prova é linda demais e aproveitamos a beleza do lugar para tirarmos fotos.







Esse ano eu não sei o que aconteceu, mas Magoolin não ficou na ladeira ingrata que faz a gente sair sem dignidade nas fotos. As fotos já estão disponíveis para aquisição no site do Olho no Atleta, AQUI. E a campanha “Não ao print das fotos” de Leo Trindade tem o meu apoio. #ficadica

Parabéns a todos os amigos que subiram ao pódio como Naiara Tavares que foi terceiro geral e Mariana Neves primeira geral na classificação militar. Duas guerreiras e focadas que fazem parte de assessorias amigas.

Se você gosta de prova plana, essa prova não é pra você, mas se quiser se desafiar super recomendo. Mesmo com a falta de água, certamente farei essa prova ano que vem.

Os primeiros colocados foram:

5KM Feminino Geral
1º 562 ANDREIA FERNANDES
2º 998 LILIAN PINTO FERREIRA
3º 827 NAIARA SANTANA SOUZA TAVARES

10KM Feminino Geral
1º ZENITA BRITO DE SOUZA
2º GEORGINA DURAN
3º MARIA JOSÉ FREITAS


5KM Masculino Geral
1º ADERLANIO SANTOS SILVA
2º DAMIÃO NONATO DA SILVA
3º DILSON DOS SANTOS


10KM Masculino Geral
1º YULO BARROS MONTEIRO
2º CAETANO TELES
3º WADLSSON MARINHO

Tivemos 942 concluintes na prova, sendo 617 nos 5k e 325 atletas nos 10km. O resultado da prova está disponível AQUI. O tempo do site está o bruto, o líquido quem cadastrou o celular recebeu via sms.

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Nike Zoom Vomero 11

Olá galera, hoje eu resolvi falar um pouco sobre um dos meus tênis queridinho de corrida que é o Vomero da Nike. Não, não ganhei o tênis da Nike para fazer propagada, até gostaria, mas todos os tênis que faço review no blog foram comprados com meu din din.

O Vomero 6 foi o meu primeiro tênis de corrida lá em 2012 e nossa como usei esse tênis, depois de 2 anos de muito uso o aposentei e desde então o orçamento não coube ter uma versão da marca, optando pelo Pegasus que é um modelo maravilhoso também e um pouco mais em conta.

Como precisava comprar um tênis porque meu Pegasus 30 está surrado, decidi que era hora de investir no meu tênis preferido e peguei a versão atual o Vomero 11 que foi lançado em março deste ano.

Conforto
Acho que todo mundo já ouviu a frase clássica “o tênis ideal é aquele que fica confortável no seu pé”, mas é a pura verdade. O Vomero é muito confortável e é um tênis que lhe dá uma resposta imediata. Como meu pé é largo o cadarço permite um ajuste ideal ao pé.

Peso, Beleza e Design
Quanto o quesito é peso, achei ele um pouco pesado. O número 41 tem 320gramas e tem um drop de 12mm. Poderia ser melhor, poderia ter um drop de 10mm, mas embora seja pesado como já falei ele tem muito amortecimento, ideal para quem está pesada como eu.

As fotos já mostram como ele está lindo, muito diferente do meu primeiro comprado em 2012.

Pisada
O Vomero é indicado para corredores com pisada neutra ou supinada.

Amortecimento
Amortecimento ele tem de sobra, é um tênis indicado para rodagem e é muito utilizada para quem quer fazer provas mais longas.

O cabedal Flymesh sem costuras oferece uma boa respirabilidade, por mais que ele tem uma língua grossa é um tênis que não ficha encharcado com o suor.

Com a utilização do Nike Zoom no calcanhar e antepé proporcionam amortecimento com ótima resposta no impacto do calcanhar e na saída dos dedos para conforto em longas distâncias.

Custo x Benefício
Esse tênis compete diretamente com o Nimbus e o preço dessa linha de tênis basicamente é a mesma. O Vomero 11 tem preço de saída de R$599,00, mas fiquem ligados no site da Nike porque algumas cores estão por R$419,00 + frete grátis. Peguei o azul da foto abaixo.



A entrega da Nike é impecável. Eu paguei o tênis em 48 horas estava na minha casa, super recomendo.

O meu número é 39, mas para tênis da Nike sempre compro um numero a mais, ou seja, 40. Essa é a parte ruim, pois sempre uso o tênis masculino porque as versões femininas normalmente só vão até o 39.

Opinião Geral
Como já falei ele é o meu queridinho da Nike. É um tênis durável, confortável e fica muito lindo no pé. Já rodei cerca de 50km e já estou totalmente acostumada ao tênis. Vocês me verão em muitas corridas por ai com ele.

Pode ter certeza que se optar pelo Vomero 11, você não irá jogar dinheiro fora, é certeza de satisfação.

domingo, 11 de setembro de 2016

WineRun 2016 foi lindo

Olá galera, tudo certinho?

No sábado (10/09) aconteceu a Caixa WineRun 2016 etapa Nordeste onde pelo terceiro ano participo dessa etapa que acontece em Lagoa Grande próximo a Petrolina.

A prova é 100% dentro da Vitivinícola Santa Maria/Fazenda Rio Sol e confesso que eu gosto mais dessa vinícola do que da edição que participei em Casa Nova.

Para quem não conhece a prova, é uma corrida que acontece dentro de uma vinícola de vinho todo ano em duas etapas, uma em Bento Gonçalves no Rio Grande do Sul normalmente em maio com percurso de 21km e a segunda no sertão nordestino, na região do Vale do São Francisco com percurso de 16km.

Como falei no início, é o terceiro ano que participo dessa corrida, 2013 primeiro ano da prova, 2015 e 2016, todos os anos optei pelo revezamento. O motivo da escolha além da dificuldade da prova pelo calor, terreno, acho que é o diferencial poder fazer uma prova com o namorado.

Você pode escolher em fazer o percurso de 16k sozinho, em dupla seja mista ou apenas feminina ou masculina. A primeira perna da prova são 6km e a segunda 10km.

Como Magoolin termina aproveitando para fotografar pelo Olho no Atleta, fico sempre com a primeira parte da prova e ele com a segunda.

Sou suspeita para falar porque desde a primeira edição eu amei a prova. Quem se inscreveu no primeiro lote, pagou 55,00 + taxa por cada parte do percurso. Ou seja, eu e Magoolin pagamos o valor de R$117,50. Com o valor opcional da festa do espumante onde no pós prova você recebe sua taça e podia tomar espumante até cansar por mais R$39,00. Fica a dica a todos que se entusiasmarem a fazer ano que vem a comprar a taça do espumante pelo site com a inscrição da prova, pois no dia você pode comprar, mas o valor é sempre mais caro(R$50,00).

A entrega do kit e deslocamento para a vinícola acontece no Quality Hotel de Petrolina, a inscrição além do kit já está inclusa o deslocamento para a vinícola através de ônibus. Pegamos o kit no fim da tarde sem fila e com degustação de espumante e suco do Rio Sol.

O kit é outro diferencial da prova, com camiseta (amei a cor desse ano) vou usar muito nos treinos já que corro as provas com a camiseta da minha assessoria Triplaforma. Além da camiseta, tem vinho, suco de uva da vinícola e mais biscoito de parceiros da prova.

Esse ano contamos com mais amigos da Assessoria Rafael Peralva e essa galera tornou a viagem mais especial, oh turma animada que sabe curtir e correr muito.

Já iniciamos a resenha para falar da prova no jantar na sexta na Pizzaria Francesco na orla de Petrolina, local simples, mas muito família com pizza gostosa e bom preço.

Com parte da turma no jantar de massas.

A saída dos ônibus no sábado aconteceu com pontualidade, chegamos as 6h15 no Quality e já tinha vários ônibus saindo para a vinícola que fica aproximadamente 1 hora de Petrolina. E esse tempo dá para resenhar com os amigos ou dormir para que prefere descansar mais um pouquinho.

Pela resenha no ônibus tinha corredor de várias regiões do pais. Achei muito legal que várias assessorias da região fizeram camisetas personalizadas para a prova.

O tempo colaborou, quando chegamos na vinícola o tempo estava parcialmente fechado e vento frio gostoso, até comentei com a turma que estreou na prova que eles já chegaram com sorte, mas como a região é conhecida pelo seu calor extremo, o sol deu ar da graça.

Viagem tranquila, chegamos ao local da prova e já percebemos que a arena tradicionalmente montada próxima a largada não existia. Apenas 4 banheiros químicos foram disponibilizados e pense na fila que gerou. Acho que o atraso da largada deve ter sido por conta disso, fiquei apreensiva de perder a largada sem antes ir no banheiro, mas deu tudo certo. Fica a sugestão de ter mais banheiros, porque como os ônibus chegam praticamente juntos, a fila foi grande.

A largada aconteceu às 8:07, atraso mínimo. A prova é toda plana pelo menos o meu percurso, ventava forte e o sol ainda estava tímido, era hora de aproveitar e correr. O meu objetivo era diminuir pelo menos 2 minutos o meu tempo, consegui. Poderia ter forçado mais, mas sofri com as pedrinhas no terreno de terra batida.

A partir do 4 km foi um tal de zig zag dentro do parreiral que não parecia ter fim, quando você começava a acelerar vem uma curva e entra novamente em outro ponto do parreiral não gostei da mudança do local da largada e arena da prova, acho que o percurso do ano passado foi melhor.

A hidratação na minha opinião foi ótima, com pontos de água a cada 2km. O sol veio apenas castigar a partir do 3ºkm onde ficava a procura de espaços sem tanta pedrinha, completei a prova com o peito do pé esquerdo incomodando muito.

No km 5, passei por Magoolin me gritando pra tartarugar menos para não comprometer tanto o tempo final da prova, oh homem competitivo. E quando chego no ponto de troca está ele já pronto para me passar a câmera e largar.

Eu fiquei tão afobada que só vim lembrar de parar o Garmin algum tempo depois. Fiquei fotografando no ponto de troca até ele passar para poder procurar o pórtico de chegada, até então achei que era mais adiante onde largamos, mas não. Era a mais ou menos 1km de onde estávamos.

Achei isso péssimo, pois com câmera pesada e mochila nas costas lá vai eu andando rápido para evitar que Magoolin chegasse no pórtico antes de mim, não sabia quanto tempo ele tinha a fazer e quando cheguei esperei um pouco e nada dele aparecer.

Perguntei para um corredor que estava chegando nos 10km e como ele já tinha 1h04min de prova, achei que Magoolin já tivesse chegado e entrei para Arena. Quando rodei e não o encontrei tentei voltar para o pórtico, resultado ele já estava passando e não consegui fotografá-lo no fim da prova.

Passado a frustração de não ter pego sua chegada, aproveitamos muito o pós-prova. Encontramos a turma e foi só festa a partir dai. Muita água, espumante, massas, picolés, bolos, água de coco, enfim uma super festa foi montada pela organização. Todo mundo feliz e encantado com a prova. Muitos prometeram voltar e alguém tem dúvida que voltaremos em 2017, não né?.

Saímos todos vencedores, todos concluíram suas etapas. Consegui baixar 2 minutos o tempo e Magoolin 8 minutos. Foi exatamente nessa prova que ano passado Magoolin estreou oficialmente nas corridas de rua. Ele é meu orgulho.

Já me desafiou a treinar e fazer essa prova com um pace desafiador ano que vem. Desafio dado é desafio comprido, bora treinar para fazer bem melhor ano que vem. Deixo vocês com as fotos do percurso.

Foto by Edson Magoolin - Olho no Atleta

Na chegada a vinícola, tá faltando gente.

Com Magoolin.

Turma toda reunida pós chegada.

Vamos brindar a endorfina?

Mais uma medalha para coleção.

O resultado da prova pode ser visualizado, AQUI.

Confira abaixo os resultados da disputa individual dos 16 km:

Individual masculino
1. Edson Amaro Arruda Dos Santos em 52:32
2. Kleonnes Oliveira Balbino em 53:50
3. Lucas De Jesus em 54:56

Individual feminino
1. Eliene Florência Da Costa em 1:10:58
2. Marcia Goretti Alcantara Pereira De Arruda em 1:21:34
3. Geralda Adriana Venancio Da Costa em 1:24:35

A cobertura fotográfica do Olho no Atleta está disponível para aquisição AQUI.

Quem fez a Corrida Sunrise, a cobertura fotográfica do Olho no Atleta está disponível para aquisição AQUI.

domingo, 4 de setembro de 2016

Como foi a Farol a Farol 2016

Olá galera, no domingo (04/09) participei pela primeira vez da Meia Maratona Farol a Farol. Com percursos de 5, 10 e 21km a prova contou com 4 mil inscritos e 3201 concluintes nos três percursos.

Nos meus 4 anos de corrida nunca fiz essa prova e esse ano também não seria o momento de estreia nela. Mas nos últimos 45minutos da partida surgiu a oportunidade de fazer a prova com a desistência de um colega da assessoria que está lesionado.

Já que a oportunidade veio, resolvi que era hora de me desafiar nos 10km. Não estava treinando para a distância, mas quem fez 8,7km domingo anterior na Corrida dos Bancários era hora de arriscar os 10km hoje. Basílio obrigada por ceder sua inscrição.

A entrega do kit aconteceu na sexta e sábado no Shopping da Bahia que patrocina a corrida. Tive uma má impressão na entrega do kit, fui uma das primeiras pessoas a retirar na sexta e fomos surpreendidos com o kit entregue em sacolas plásticas, aquelas sacolinhas de supermercado.

Após muitas reclamações a organização lançou um comunicado nas suas redes sociais justificando problemas com o fornecedor e atraso na entrega das sacolas. Isso manchou um pouco a avaliação da prova na minha opinião, uma prova desse porte que já acontece a muito anos, não pode ter esses imprevistos. Quem quiser retirar a sua sacola, pode ir no até a segunda feira (05/09) no horário de funcionamento do Shopping da Bahia na loja Sport.Com.

O ponto positivo da entrega do kit foi a possibilidade de mudar a titularidade e percurso da prova. Como meu colega estava inscrito nos 21km, rapidamente a inscrição estava no meu nome e no percurso de 10k. Show de bola, isso para mim foi o diferencial, já que normalmente essa mudança em outras provas aqui em Salvador não é permitido.

Toda a legião de corredores estava ansiosa para essa prova, a movimentação nas redes sociais foi imensa desde a sexta em torno dessa corrida. Com largada as 6hs da manhã para todos os percursos (outro ponto super positivo) largamos (5 e 10k) no Centro Espanhol e os guerreiros dos 21k em Itapoan.

A organização foi muito assertiva em toda a prova. Todo o percurso foi bloqueado, staffs atentos na hidratação que foi bem farta em todos os percursos. Ponto que foi melhorado em relação a anos anteriores.

Em relação a minha prova foi como poderia ser, lentinha mais completei a prova dentro do que estabeleci como limite máximo de tempo. A temperatura ajudou pra caramba e contei com a companhia da colega de assessoria Fabiana Sadi que me acompanhou o percurso inteiro supervisionando a minha hidratação e motivando nos momentos de cansaço.

Fabiana se já gostava de você de graça, agora então com essa ajuda mais ainda. Ainda foi fotógrafa com fotos de costas que adoro tanto. Meu agradecimento é eterno, até porque a pessoa correr com uma tartaruguinha do lado não é moleza, correr num ritmo muito mais lento que estamos acostumados é tão difícil quanto correr com quem é mais rápido.

Fiquei feliz por ter me desafiado a voltar para o meu percurso preferido que é os 10km. A medida que o peso baixar e o treinamento intensificar, o tempo diminuirá, mas o gostinho de completar foi bem especial, independente do tempo, a sensação de superação é maior, deixei algumas magrinhas e homens pelo caminho.

Tenho que destacar todo o empenho da Assessoria Esportiva Triplaforma que deu todo o suporte a seu atletas durante todo o evento. Alah que fez o percurso de 10km e fez o aperto de mente ao passar por todos nós, a turma do apoio em vários pontos e a mega estrutura montada no Centro Espanhol com uma tenda maior com lanches diferenciados, frutas, hidratação e atenção a todos que chegavam. Para a turma dos 21km o tão frio tonel de gelo para ajudar na recuperação muscular. Fizemos uma grande participação, parabéns a todos que concluíram seus percursos.

A má impressão causada com a retirada do kit foi amenizada com a organização do evento que é o mais importante na prova. Espero que ano que vem seja ainda melhor e quem sabe eu pense nos 21km que na minha opinião é o charme dessa prova.

Não posso deixar de agradecer a Margarida e Paulinho pela carona de ida ao percurso, fotos e vídeo da minha participação na prova. E na volta a carona de Alex, se tivessemos combinado não daria tão certo.

Se você fez a corrida o resultado está disponível AQUI.

Fotos pelo percurso!

Turma dos 10k antes da corrida iniciar.

No Rio Vermelho com Fabiana. Foto by Roberto Barros

Foto by Fabiana Sadi. Em Ondina, só restavam 2k.

Chegando ao pórtico de chegada. Foto by turma da assessoria Triplaforma.

Na tenda após concluir a prova. Foto by Robério.

Faltam as fotos do Olho no Atleta, em breve complemento aqui.

Olhem como ficou a categorização de concluintes na prova.

21km feminino: 719 guerreiras concluíram.
21km masculino: 1884
10km feminino: 148
10km masculino:148
5km feminino: 169
5km masculino: 133
Total 3201 concluintes.

Tivemos a cobertura impecável do Olho no Atleta, AQUI você tem acesso as fotos.

Agora é pensar na WineRun do Vale do São Francisco no próximo sábado onde pelo segundo ano consecutivo farei a prova em dupla com Magoolin. Será que esse ano ele vai liberar a máquina para que eu possa fotografar enquanto ele corre? Conto para vocês no relato da prova.

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

20ª Corrida dos Bancários

Olá turma, no domingo(28/08) participamos pela primeira vez da 20ª Corrida dos Bancários. Com valor de inscrição a 25,00 para bancários e 35,00 para público em geral as inscrições se esgotaram em 10 dias. Logo pensei, essa prova tem tudo para ser uma prova impecável, já arrasando no valor da inscrição.

Nesse mesmo dia tivemos a Desafio Bike Run no Pelourinho e terminei optando pela corrida dos Bancários por 4 motivos:
1º Me desafiar fazendo uma distância um pouco maior do que as provas que fiz esse ano que não passaram de 6km. A distância oficial era 8km.
2º Percurso que nunca fiz.
3º Largada próximo de casa.
4º Preço de inscrição.

Com 2 dias de entrega de kit no Ginásio dos Bancários a entrega foi tranquila. No regulamento da prova foi divulgado que o kit seria composto por um número de peito, alfinetes, camiseta tecnology dryfit, sacola de treino, viseira e medalha (pós-prova). Não teve viseira, quem questionou nas redes sociais a organização da prova justificou que foi digitado errado. Acho que faltou cuidado já na revisão do regulamento.

Amei a cor da camiseta e fiz questão de usá-la no dia da prova como forma de prestigiar ainda mais o evento, já que normalmente só uso a camiseta da assessoria esportiva que faço parte.

Quando passei pela parte final do percurso que é a Rua Dr. José Peroba, 30 minutos antes da largada já fiquei surpresa por ter todo o percurso marcado com cones. Ou seja, mais uma vez repito a fala, “tinha tudo para ser uma prova impecável”.

A arena montada no Parque Costa Azul estava muito bem organizada. Com uma área reservada para a criançada (ponto positivo), avaliação nutricional e muita gente animada para o início da prova.

Com um pequeno atraso de 11 minutos foi dado a largada e a partir daí a organização da prova se perdeu. Os staffs não sabiam o percurso correto, não existam as placas de sinalização de quilometragem e foi a maior bagunça no trajeto dentro da Magalhães Neto.

Fomos indicados a entrar no G Barbosa passando novamente pelo pórtico de chegada quando deveríamos ter seguido pela Magalhães Neto, retornado pela Magalhães neto até a altura do Colégio integral, subir novamente e entrar na Rua Dr. José Peroba, passar pela Unifacs, G Barbosa, ACEB, Colégio Portinari e concluir no pórtico de chegada na frente do parque Costa Azul.

Todos que entraram no G Barbosa, tiveram que passar pelo pórtico de chegada voltar pra Magalhães Neto, dá uma volta completa no local e entrar novamente no GBarbosa e assim ter acesso ao fim da prova. Esse foi o percurso modificado que ficou sendo como o “correto”.

Esse percurso que foi o que eu fiz, totalizou no frequencímetro 8,7km, em outros 8,6km. O que tinha de gente que ao passar pelo tapete não dava a volta completa pegando atalhos nos retornos que tem ao longo da via, fazendo um percurso menor e lógico concluído a prova antes das pessoas que estão acostumadas a estarem no pódio nas provas.

Teve corredor de elite que chegou a correr bem mais que 8,7km, porque os staffs deram outra orientação, ou seja a coisa foi tensa.

Embora a via tivesse toda cheia de cones, deixaram os carros entrarem na Magalhães Neto o que provocou uma grande fila de motoristas furiosos gerando um grande buzinaço na via.

Com toda a confusão, o atraso na premiação aconteceu para que eles pudessem analisar os resultados e não penalizar as pessoas que correram o percurso “oficial”.

Mais uma vez falo que se tivessem pego a imagem do percurso, tivessem colocado as placas de sinalização por km como é comum em provas e orientado os stafss não teria existido erro.

Vale ressaltar que a hidratação diante dessa confusão toda ficou errada, onde só tivemos acesso ao primeiro ponto de hidratação com quase 4km de prova, no calor que foi a prova, só podia acontecer o que aconteceu, a falta de água nos dois últimos pontos. Como sou lenta, os dois últimos postos de hidratação que passei já não tinham água.

Foto durante o percurso.
Foto by Turma da Assessoria Triplaforma pois Magoolin estava cobrindo a Bike Run.

Tem que rolar o L ou C desses meninos do Olho no Atleta. Foto by Leo Trindade

Foto by Leo Trindade do Olho no Atleta

Na chegada recebemos medalha, água, kit lanche composto por banana, tangerina, maça e um suco de garrafinha.

Gostaria que a organização da prova tivesse acesso ao meu relato, e se forem fazer uma pesquisa de satisfação mais relatos como esse serão identificados.

Uma prova que está na sua 20ª edição é uma prova tradicional no calendário de corridas de rua em Salvador, espero que reavaliem os pontos negativos e sejam assertivos no ano que vem.

As fotos realizadas pelo percurso da prova pelo Olho no Atleta Bahia, estão disponíveis para aquisição aqui.

O resultado da prova está disponível AQUI.

Quem participou do Desafio Bike Run as fotos realizadas pelo Olho no Atleta Bahia estão disponíveis para aquisição AQUI.

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

O grande vilão da minha alimentação!

Olá gente, hoje é um post desabafão. Então se vocês não gostam de post assim, fechem a página ou vão ler algum outro post (rs).

Domingo fará uma semana que comecei a minha nova rotina de reeducação alimentar, com metas, cardápios e desafios. Não vou ficar postando aqui, porque não sou Nutricionista e acho que cada pessoa tem a sua necessidade e objetivo.

Até fiz um desabafo no Instagram falando da mochila de lanches e nossa como recebi tantos incentivos e comentários lindos.

Essa batalha de perder peso não é tão difícil pra mim, mas manter o meu peso sim é algo que eu preciso conquistar(isso será tema de novos posts).

Nessa nova batalha o que menos existe no meu dia-a-dia é açúcar. E porquê? Porque é o meu grande vilão e o que mais me faz ganhar peso. Talvez seja o maior vilão mundial, porque cada dia que passa consumimos mais e mais açúcar.

Voltando para minha realidade qualquer momento de ansiedade, estresse, mudanças bruscas de humor, tpm, tristeza, cansaço no meu dia-a-dia eu me compensava com o que? Com o açúcar em forma de bolos, de chocolates, de refrigerantes, de guloseimas. Aff, como sinto falta do bolo de milho, da torta de chocolate, do brigadeiro, do chocolate depois do almoço.

O meu corpo implora para comer açúcar eu até chego a comparar com a dependência química por que de certa forma eu vejo dependências muito parecidas. O açúcar aciona no cérebro aquele prazer, a felicidade (momentânea) por conta da dopamina.

Já existe uma preocupação pela Associação Americana do Coração em incentivar que as pessoas limitem o uso de 25 gramas de açúcar adicionado na alimentação de crianças e adolescentes.

Então no meu dia-a-dia não tem mais nem o café ou chá com açúcar. O açúcar que consumo são de algumas frutas e alimentos, mas nada é adoçado com açúcar. Conquistar um paladar para ter prazer de tomar um café apenas com óleo de coco e canela não tem sido tarefa nada fácil. Vocês devem estar pensando, mas nem o café você pode tomar com açúcar, não? Como eu consumo muito café, imagine 4 a 5 cafezinhos no dia quanto açúcar eu já consumi. Multiplica isso por 7 dias da semana, 30 dias do mês, 365 dias do ano? Resultado é muito açúcar só no cafezinho.

Tenho um livro que tá sendo meu livro de cabeceira pra me ajudar nessa luta contra o açúcar, que ensina como você deixar o açúcar em 8 semanas. O livro se chama "Chega de Açúcar" da Sarah Wilson, deixo o link do livro AQUI. Gostei muito da proposta da Sarah e boa parte do livro são de Receitas que você pode fazer sem açúcar.

Tirar as tortas, o refrigerante tem sido fácil. Mas o bolinho de milho com café? Nossa tem sido difícil, mas necessário. Então quando vou almoçar no restaurante a quilo perto do trabalho, eu já nem olho pra sessão tentação dos bolos e tortas.

Então se você é como eu que adora um docinho e precisa perder peso, o primeiro passo para você conquistar uma vida mais saudável e feliz começa com a redução ou eliminação do açúcar. Está sendo difícil, vai requerer muita paciência da minha parte, faço cara feia toda vez que tomo o café preto, mas não é impossível. Se tanta gente consegue e gosta, uma hora eu acho esse prazer.

Quem mais está nessa luta? Pode comentar nos comentários.

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Track & Field Shopping Barra 2016

Um dos lugares que eu mais gosto de correr é na Barra mas geralmente é onde menos temos opções de corrida e por ser longe de casa não é um percurso funcional pra mim. Mas a paisagem vale acordar de madrugada e normalmente é onde sempre faço boas provas.

A prova acontece normalmente no primeiro fim de semana de agosto, onde ainda não sofremos tanto com o sol e como todo ano as inscrições esgotaram antes do prazo. Retirei meu kit na loja da Track&Field na sexta (5/8) e a surpresa é que os 100 primeiros a retirar o kit poderiam inscrever seus filhos na corrida kids. Além de vários brindes, todos os corredores tinham direito a 15% de desconto na loja.

Esse é o meu 4º ano na TFRS do Shopping Barra e sempre fico muito feliz em participar pois a organização dessa prova é impecável. Na área externa do shopping ficam as tendas das assessorias, os banheiros eram os do próprio shopping (limpíssimos!) e o guarda-volumes eram dentro do estabelecimento.

Com a locução da simpática jornalística e corredora Patrícia Abreu, a largada aconteceu no horário previsto. Água gelada em todos os postos de hidratação e percurso bem sinalizado fiz os 5km com tempo melhor que a edição passada.

A minha prova foi bem tranquila, a meta era fazer abaixo do tempo do ano passado e consegui reduzir o tempo em 1’11’’. Ainda não é o tempo ideal, ainda falta muito para chegar no meu melhor ritmo. Mas os treinos após volta de lesão estão surtindo efeito pois foi a minha melhor prova do ano. Com redução de quase 4 minutos da corrida que fiz a 20 dias atrás.

Preciso melhorar o psicológico, meu 3ºkm tem sido sempre o pior onde a respiração fica muito ofegante e termino andando em alguns momentos. Não tenho que parar, tenho que reduzir um pouco o ritmo focar na recuperação da respiração e voltar a diminuir o pace no 4km. O 1º e 4ºkm são sempre os meus kms mais rápidos.

No final, pegamos medalha, água, isotônico, frutas, saladinha de atum e a cerveja Skol Utra desenvolvida para atletas.

Sempre gosto de agradecer os incentivos no percurso, teve um atleta da equipe Hércules que foi resgatar alguém da assessoria e passou por mim sentido contrário e comentou, Cassinha mantem esse ritmo e vai até o fim. Nem sei quem era o atleta, mas foi fundamental pois consegui fazer isso daquele ponto em diante da prova.

Na reta final ouvi Nadja me gritar, estava bem ofegante mais dei o sprint final quando vi que estava dentro do tempo para RP. Ainda ganhei foto e vídeo.


Como sugestão para a organização é ter a camiseta finisher no final da prova para os participantes como acontece em algumas etapas do circuito em São Paulo e chip descartável.

Não entendo porque a Latin e O2 ainda não evoluem para o chip descartável.

Após a conclusão da prova dos adultos foi dado a largada da corrida kids, fiquei arrepiada com a participação dos pequenos. Alguns tímidos antes da largada, choravam, ficavam no braço dos pais e aparentemente não queriam conta em participar. A presença de vários fotógrafos no espaço da prova passou despercebido para os pequenos quando era dado a largada. Foi lindo ver todos uniformizados, com número de peito dando o seu melhor e no fim recebendo suas medalhas pelos pais. Quem mais provas tenham essa iniciativa.

Certamente estaremos na etapa Villa Forma no dia 09/10 com uma meta mais agressiva para essa etapa, se deseja se inscrever na prova, clique AQUI.

Se quiser acompanhar o calendário de provas com inscrições abertas, clique AQUI.

Se você fez a prova, as fotos realizadas pelo Olho no Atleta Bahia já estão disponíveis para aquisição AQUI.

Olha eu toda feliz com a minha medalha pós prova. Foto by Edson Magoolin.